Extinção pela sexta vez

elefante

Um biólogo da Universidade de Stanford tá empenhado em alertar todo mundo: o mundo pode já estar passando por sua sexta extinção biológica em massa.

Após fazer uma revisão da literatura científica, o biólogo concluiu que o declínio em variedade e quantidade de animais pode indicar o início da sexta vez em que o planeta passa pela extinção massiva de diversas espécies de animais. Segundo estudos, entre os anos de 1500 e 2014, mais de 320 espécies de vertebrados terrestres foi extinta. As populações das espécies que ficaram caíram, por sua vez, em 25%. Entre os invertebrados, a situação é tão ruim quanto.

O ponto mais interessante dessa revisão é o seguinte: nas outras ocasiões em que várias espécies foram varridas do planeta, os motivos foram naturais. Inundações, congelamento, meteoritos e por aí vai. Esta, contudo, pode ser a primeira extinção em massa movimentada pela interferência humana; pelo menos em sua maior parte.

Animais de grande porte, como elefantes e rinocerontes, tiveram queda vertiginosa de suas populações. A interferência que a extinção dessas espécies tem sobre a saúde humana também é motivo de preocupação. Na revisão feita em Stanford, foi reaberto um estudo feito no Quênia. Animais de grande porte foram retirados de pedaços isolados de terra e o resultado foi surpreendente: roedores infestaram as áreas, empobrecendo o solo e influindo negativamente no crescimento da flora local.

O motivo é a alta densidade da população humana, que acarreta tanto a eliminação de espécies grandes quanto o crescimento na população de roedores. Não querendo alarmar mais do que o suficiente, mas houve um momento parecido na história que resultou na Peste Bubônica. Ainda bem que não somos mais medievais 😛

Fonte: Stanford University

+Como os pássaros sobreviveram ao meteoro que matou os dinossauros

Deixe seu comentário