Não quero saber de risadinhas, viu?

Finalmente um dos maiores mistérios da ciência foi resolvido. Aquela pergunta que sempre atormentou cientistas das mais diversas áreas, desde as ciências biológicas até as humanas; passando até pelas exatas. Aquela dúvida atroz que carrega 50% do essencial para a compreensão da origem da vida na Terra. A ponderação que cientista nenhum gosta de fazer em voz alta porque os coleguinhas vão passar o resto do dia rindo.

Sim, estamos falando da origem do pênis. Shhh! Sem risadinhas, por favor. E sem acusações de machismo. Quem estava atrás dessa resposta eram os cientistas. E é só 50% da chave para a compreensão da origem da vida. A ciência gosta de dividir a conta porque acredita em direitos e deveres iguais. Mas OK, de volta ao pênis.

Um grupo de biólogos de Harvard resolveu triangular o ponto de origem do pênis em animais cujas origens estão fortemente ligadas às primeiras espécies que caminharam sobre a Terra e adotaram a reprodução sexuada: cobras, lagartos, camundongos e embriões de pintinhos (tá, pode dar uma risadinha; mas só essa hein?).

O que eles descobriram foi que a cloaca, cavidade multifuncional que serve para excreção e reprodução, transforma-se e ganha funções ao longo do crescimento. E que essa transformação e funções dependem de onde ela está localizada nos estágios iniciais de desenvolvimento dos animais. No caso das cobras, a cloaca está localizada próxima de onde, evolutivamente, cresceriam patas para locomoção. Assim sendo, as cobras possuem dois pênis – embora utilizem apenas um por vez. No caso dos camundongos, a cloaca fica próxima da cauda e compartilha células do pênis do roedor.

E em todos os casos, células da cloaca vestigial compartilham características com as células de pré-formação genital. Para comprovar isso, foram implantadas células vestigiais de cloacas diversas nos embriões de pintinhos. A partir daí os biólogos puderam testemunhar o crescimento vestigial do pênis nos galináceos em desenvolvimento. Vale lembrar que pintinhos, galos e galinhas possuem apenas cloacas; então fazer crescer um pintinho num pintinho é prova de que as células de origem são essas mesmas.

Fonte: Science Magazine

+Como funciona a cirurgia de mudança de sexo?

+”Deus não dá asa a cobra”. Será mesmo?

Deixe seu comentário