Conheça o fotógrafo que transforma ciência em arte


Há pouco tempo nós mostramos aqui nesse post do blog do Manual do Mundo a incrível beleza dos fluidos em movimento, especialmente capturados com as câmeras modernas e seus recursos tecnológicos como o “slow motion”.

Tanta tecnologia, entretanto, só é capaz de produzir resultados tão incríveis quando operadas por pessoas de grande sensibilidade, capazes de identificar a beleza artística dos fenômenos naturais cotidianos, como as ondas sonoras, a força da gravidade e a força centrípeta, entre outros.

Hoje nós iremos falar especificamente da obra de um desses artistas, dedicados a observar tais fenômenos científicos do ponto de vista mais “poético”: o fotógrafo suíço Fabian Oefner.

Misturando ciência e arte, Oefner emprega diversos materiais e mecanismos para criar uma representação visual de algo que normalmente não é visível. Em uma palestra no TED no ano passado ele explica que às vezes é preciso “parar por um momento e apreciar a mágica que nos cerca constantemente”.

Na série “Dancing Colors”, por exemplo, o fotógrafo aplicou centenas de cristais coloridos sobre uma camada plástica por sua vez colocada sobre um alto-falante, obtendo inúmeras composições de um colorido balé em movimento de acordo com o som emitido. Em outro projeto, “Millefiori”, diferentes desenhos são criadas utilizando ferrofluido,um líquido com propriedades magnéticas (velho conhecido nosso).

Abaixo, você confere o vídeo “Black Hole” (“buraco negro”) e algumas dentre as muitas imagens disponíveis no site do artista:

Clique aqui para desvendar as formas secretas da água em slow motion!

Deixe seu comentário