Buracos negros provocam envelhecimento precoce de galáxias

Não é segredo que os buracos negros são os glutões do espaço sideral. Grandes buracos de força gravitacional praticamente incalculável que devoram todo tipo de matéria ao seu redor. Estrelas, gases, planetas, rochas… nem mesmo fótons, as partículas da luz, escapam do apetite insaciável desses fenômenos espaciais. Há quem diga que do outro lado de um buraco negro sempre há uma dimensão paralela àquela que conhecemos. Ninguém jamais foi conferir pessoalmente.

buraconegro
“O que temos para o jantar? Galáxia com batata palha? Oba! Meu prato favorito!”

As galáxias produzem novas estrelas a partir de poeira e gases acumulados ao seu redor. E na medida que esses gases e poeira vão se esgotando, as galáxias “morrem” quando deixam de produzir novos corpos celestes. O fenômeno é normal, não fosse por um detalhe. Algumas galáxias morrem mais jovens do que o que normalmente se espera, de acordo com seus tamanhos e volumes.

Um dos motivos desse envelhecimento precoce, ponderam os astrônomos, pode ser a presença de buracos negros ativos no centro dessas galáxias. Funcionando como uma espécie de ralo no centro de uma pia, os buracos negros alimentam-se dos mesmos gases e da poeira necessária para se produzir estrelas, expelindo os gases já longe da galáxia de origem. É como se as galáxias levassem o Ed Motta para jantar e tivessem de lidar com peidos no carro durante o caminho de volta.

Ainda que se trata de um palpite dos astrônomos, devemos admitir que essa comparação foi brilhante, diz aí 😛

Fonte: Science Magazine

+Quando o ser humano conseguirá viajar até outra galáxia?

+Sentou, já era! Faça em casa a indiscreta almofada que solta pum!

Deixe seu comentário